Se alguém pedisse a você para definir o Brasil em 10 pratos, quais você escolheria? Provavelmente, não seria uma tarefa fácil, visto que a culinária brasileira possui diversos sabores, origens e referências.

A variedade gastronômica do nosso país é um dos mais belos retratos da riqueza histórica e cultural do Brasil. 

Uma dose indígena, uma pitada africana, um punhado europeu e uma xícara de latinidade. A junção de todos esses temperos faz parte da nossa tradição e representa quem somos.

Por isso, degustar todos esses sabores, além de ser uma experiência valiosa, é uma oportunidade única de entrar em contato com as nossas raízes.

Afrouxe o cinto, prepare o paladar e embarque nessa viagem imperdível e deliciosa por todo o território brasileiro. Selecionamos 10 pratos que colocam nossa cultura à mesa. Confira!

1. Frango com quiabo

O frango com quiabo é um prato típico da culinária mineira. Não se sabe ao certo sua origem. No entanto, o quiabo veio da África e, segundo historiadores, foram os escravos que trouxeram suas sementes ao Brasil, cultivando-o nas lavouras em que trabalhavam.

Desde o início, o alimento ganhou o coração dos locais, mas, a princípio, o preparo era realizado com angu e pedaços de carne. 

Ao mesmo tempo, o consumo de frango em Minas Gerais está relacionado à simplicidade das nossas raízes gastronômicas e ao hábito de se cozinhar o que era criado e plantado nos próprios quintais.

Algumas fontes afirmam que foram os índios. Já outras, atribuem a combinação entre o frango e o quiabo aos portugueses. Independentemente disso, o que realmente importa é que a junção deu muito certo, e o prato já faz parte da identidade de Minas Gerais.

2. Leitão à pururuca

O leitão à pururuca é uma versão brasileira do tradicional leitão assado português, popularizada, assim como o frango com quiabo, em Minas Gerais.

No dialeto tupi, pururuca significa o que produz barulho. O nome guarda referência a um ingrediente essencial dessa receita: a pele do porco.

Basicamente, a pele suína, que se assemelha a um couro borrachudo, passa por uma transformação e se torna um acompanhamento crocante e atrativo.

A carne de porco é uma das mais consumidas do mundo, com evidências históricas que comprovam seu uso desde 500 a.C. Além de saborosa, ela é também muito nutritiva, rica em vitaminas, minerais e ácido linoléico, que corta os efeitos da gordura saturada. Portanto, pode ser consumida sem medo! 

3. Galinhada com pequi

O pequi é um fruto carnudo e de sabor marcante, nativo do cerrado brasileiro. Ele é utilizado principalmente nas culinárias das regiões Centro-Oeste e Nordeste.

A origem da galinhada com pequi é disputada entre Goiás e Minas, e os principais ingredientes dessa receita são o arroz, o frango e o pequi.

Apesar da aparente simplicidade, trata-se de uma refeição completa, que não precisa de acompanhamentos, somente de temperos para realçar o sabor.

O prato está presente em festas e datas comemorativas. No entanto, cuidado: com muitos espinhos internos, o pequi deve ser roído, jamais mordido.

4. Virado à paulista

Desembarcando na região Sudeste, o virado à paulista é patrimônio imaterial do estado de São Paulo, reconhecido pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat).

Durante as expedições do século XVII, no período do Brasil Colônia, alimentos como farinha de milho, feijão, toucinho e carne-seca eram acomodados juntos e chacoalhavam pelo caminho, ficando revirados. Assim, nasceu o virado à paulista.

Com o passar dos anos, a receita ganhou novos ingredientes, como carne de porco, ovo frito, arroz, linguiça, couve, torresmo e banana.

O prato desempenhou um papel importante nas viagens de expansão do território brasileiro. Além disso, agrega séculos de encontros de culturas, tradições, conhecimento e prazer sensorial, fazendo parte do cotidiano dos paulistanos até os dias de hoje.

5. Picadinho de carne

O picadinho de carne é um dos pratos mais tradicionais da culinária brasileira, apreciado de Norte a Sul do País.

A popularidade dessa receita é tanta, que no dia 26 de outubro é celebrado o Dia Nacional do Picadinho de Carne.

Embora existam diversas versões feitas por chefes de cozinha, a versão original é composta por carne bovina cortada em pequenos cubos, servida frita ou cozida, com acompanhamentos.

Existem várias histórias associadas à origem desse prato, mas uma das mais aceitas vem da boemia paulistana da década de 1950. 

Dizem que a receita foi criada para saciar aquela fome que bate no meio da madrugada. E precisava ser preparada rapidamente, para ser logo servida no balcão. 

6. Feijoada

Seria impossível definir o Brasil em 10 pratos e não falar da tradicional feijoada carioca. 

Embora suas origens estejam ligadas ao período da escravidão no Brasil, quando os escravos cozinhavam, durante horas, as partes menos nobres do porco para amolecê-las, estima-se que a receita atual tenha sido criada no final do século XIX, em restaurantes do Rio de Janeiro.

O tradicionalíssimo prato é composto por feijão preto, carnes maturadas (carne-seca, carne de sol etc.) e partes de porco (orelha, língua, rabo, lombo e costela, além de linguiça), e servido com arroz branco, couve, farofa, torresmo e laranja.

Vale ressaltar que o cassoulet francês, o cozido português, o casoeula italiano e o puchero espanhol se assemelham bastante a essa mistura.

A nossa feijoada é uma refeição completa e superapreciada entre os brasileiros, sobretudo em reuniões de amigos e familiares em finais de semana, feriados e datas comemorativas.

7. Arroz carreteiro

Representando a região Sul do País, temos o arroz carreteiro, típico do Rio Grande do Sul.

O prato surgiu quando os carreteiros (transportadores de cargas) que viajavam em carretas puxadas por bois cozinhavam em uma panela de ferro a mistura de arroz com guisado de carne de sol.

Por ser uma receita prática, era facilmente preparada por um viajante solitário.

A carne de sol, também conhecida como charque, era a melhor alternativa de proteína para os transportadores de carga, pois se mantinha conservada mesmo sem refrigeração, sendo ideal para alimentação durante as viagens.

O prato foi incorporado à culinária brasileira e hoje em dia é bastante comum encontrá-lo e saboreá-lo em todas as regiões do País.

8. Acarajé

O acarajé é uma deliciosa iguaria preparada com um bolinho de feijão-fradinho artesanal, temperado com cebola e sal, frito em azeite de dendê e depois recheado com vatapá (leite de coco, castanha de caju, amendoim e camarão), vinagrete e camarão seco.

A receita tem origem no candomblé, ofertada para a orixá Iansã, e chegou ao Brasil, principalmente à Bahia, por meio de imigrantes africanos do período da escravidão, vindos do Golfo do Benim, na África Ocidental.

O nome acarajé vem da língua africana iorubá: akará significa bola de fogo e significa comer. Sendo assim, o significado da palavra é “comer bola de fogo”.

Aliás, se alguém lhe perguntar se você quer seu acarajé frio ou quente, a pessoa não está se referindo à temperatura em que é servida, e sim à quantidade de pimenta que colocará!

As vendas de acarajé tiveram início ainda durante a escravidão, se tornando uma fonte de renda. O alimento era considerado bom para crianças e idosos doentes, pois, segundo crenças, fortalecia o corpo e ajudava a manter a boa saúde.

Entretanto, o consumo à época era restrito a negros (escravos e livres), pessoas pobres e moradores de rua. Ou seja, o prato não fazia parte da alimentação de famílias com boas condições financeiras.

Hoje, felizmente, essa deliciosa iguaria é apreciada em todo o País, por pessoas de todas as classes sociais.

9. Maniçoba

Diretamente da região Norte, temos a maniçoba. De origem indígena, o prato é típico da culinária do Pará, sendo também conhecido como feijoada paraense.

Ele leva as mesmas carnes da feijoada tradicional, mas, em vez de feijão, seu principal ingrediente é a maniva (folha moída de mandioca).

Tradicionalmente, a receita é servida na festa do Círio de Nazaré, em Belém, no segundo domingo do mês de outubro.

Uma grande particularidade da maniçoba é que ela leva sete dias para ficar pronta. São necessários alguns cuidados no preparo da planta, que deve ser cozida por uma semana para eliminar o ácido cianídrico que ela carrega, tóxico para nossa saúde.

Mas, uma vez bem preparada, é um prato irresistível!

10. Bobó de camarão 

Escolhemos o bobó de camarão para fechar a nossa lista com chave de ouro. Sua origem é afro-brasileira e, possivelmente, o prato também recebeu influência indígena.

O bobó é bastante conhecido em todo o Brasil, especialmente no Nordeste, sendo composto por camarões refogados junto com leite de coco, azeite de dendê e temperos verdes.

Depois, basta misturar o purê de aipim e outros ingredientes. O resultado é incrivelmente saboroso e conquista diversos paladares de todos os cantos do País e do mundo.

O que você achou da nossa seleção Brasil em 10 pratos? Pode confessar: deu água na boca, não é mesmo?

A boa notícia é que foi prorrogada até 12 de março a 3ª edição do Menu Estilo, realizado pelo Banco do Brasil e pela Elo.

O festival oferece experiências gastronômicas diferenciadas e vinhos especiais para celebrar o melhor da alta gastronomia.

Mais de 90 restaurantes em Brasília, Belo Horizonte, Campinas, Ribeirão Preto, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Salvador, Fortaleza, Curitiba e Porto Alegre participam do evento, exclusivo para clientes Estilo do BB.

Então, agora é só decidir para onde viajar e gabaritar a nossa lista. Conte nos comentários qual será o seu primeiro destino. Bom apetite e boa viagem!

Comentários:

Seu e-mail não vai aparecer no comentário.

Carregando Comentários...