Você deixaria dinheiro em espécie desprotegido? Colocaria em sua carteira e sairia com ela na mão sem preocupação? A resposta certamente é não.

Mas será que você tem o mesmo cuidado com o seu smartphone? 

Controlar a vida financeira na palma da mão pelo aplicativo instalado no celular é a realidade de milhões de brasileiros. Segundo a  Federação Brasileira de Bancos (Febraban), mais da metade de todas as operações bancárias feitas no Brasil em 2020 foram realizadas pelo celular. 

Essa praticidade exige cuidado para proteger senhas e dados pessoais.

Tem crescido o número de furtos e roubos de celulares que são seguidos por fraudes bancárias, executadas em poucos minutos. Caso o smartphone não esteja protegido corretamente, o prejuízo pode ser grande.

Muitas pessoas anotam dados de senha de cartão e de banco no próprio bloco de notas, facilitando esse tipo de fraude. Outras repetem suas senhas e usam a mesma combinação em mais de um aplicativo ou site.

Essa prática é muito perigosa para a segurança digital, já que, ao descobrir uma das senhas, um criminoso pode conseguir acesso a vários serviços diferentes.

Talvez em algum momento você já tenha compartilhado por mensagem a senha de algum serviço — como um streaming de música ou vídeo, um site de jogos, ou algo parecido.

Se alguém rouba seu celular com a tela desbloqueada (o que não é difícil, já que muitos roubos acontecem quando a pessoa está mexendo no aparelho), é possível acessar suas mensagens, descobrir a senha e testá-la no seu aplicativo de banco. Se for a mesma, ou uma variação similar, pronto.

Como aumentar a proteção do seu celular?

  • Esconda o conteúdo das notificações na tela de bloqueio (algumas, como de mensagens, podem incluir códigos de autenticação em duas etapas). 
  • Configure o celular para não permitir que o controle do Wi-Fi e do 4G seja acessado com o aparelho bloqueado (criminosos desligam a internet para evitar a formatação remota).
  • Ajuste o tempo de tela do telefone para que ele seja bloqueado após alguns segundos sem usar — ou o mínimo de tempo possível permitido pelo sistema.
  • Não guarde fotos de documentos ou de cartões de crédito na galeria (eles podem facilitar a vida do ladrão que ligar no banco para criar uma senha nova). 
  • Mantenha seus apps e o sistema do celular sempre atualizados para corrigir possíveis brechas de segurança.

Meu celular foi roubado. O que eu faço?

Agir com rapidez é fundamental para reduzir os danos causados pelo roubo de um celular. O primeiro passo é entrar em contato imediatamente com o BB pelo 4004-0001 para obter mais informações e procurar uma agência para bloquear o App do banco. Também é importante contestar compras ou transações desconhecidas.

Em seguida, ligue na operadora para bloquear a linha. Assim, você consegue evitar cobranças indevidas e o uso de serviços da operadora não autorizados. 

Faça um Boletim de Ocorrência (BO) informando sobre o roubo e fornecendo o máximo de detalhes possível.

Toda vez que algum celular é roubado, furtado ou perdido, é preciso informar a Identificação Internacional de Equipamento Móvel (IMEI). no BO 

Ele funciona como uma espécie de RG do seu aparelho, e é só com esse número de identificação que é possível bloquear o celular para que ele não funcione mais.

Para saber qual é o IMEI do seu aparelho, você pode digitar *#06# no telefone. Outra forma é procurar o número na caixa original do celular ou na nota fiscal do produto. Por isso, anote o número e guarde em mais de um lugar seguro.

Além disso, você também pode apagar remotamente os dados do seu celular. Esse passo é importante caso o seu aparelho tenha sido roubado durante o uso e com a tela desbloqueada, já que, apagando essas informações, o acesso a aplicativos, contas e e-mails é dificultado.

Para apagar os dados de um aparelho Android, basta acessar a ferramenta do Google que permite localizar um dispositivo e limpar os dados vinculados à sua conta. Se o seu aparelho for um iPhone, a Apple também disponibiliza uma plataforma em que é possível apagar os dados do seu celular a distância.

Acesse o Registrato para conferir se seus dados pessoais foram utilizados para abrir contas em outras instituições — esse sistema do Banco Central compila relatórios com informações sobre contas e operações de crédito vinculadas ao seu CPF, e pode ajudar a identificar uma utilização indevida das suas informações.

A informação é a melhor forma de prevenção a fraudes e golpes. Por isso, participe, envie sugestões e comente! E claro, compartilhe as informações!

A gente faz de tudo para te alertar e te proteger.

Para mais orientações sobre segurança digital, acesse:

Página do BB

Página da Febraban

Comentários:

Seu e-mail não vai aparecer no comentário.

Carregando Comentários...