Antes mesmo da reforma da previdência, o investimento em previdência privada já era um dos preferidos dos brasileiros poupadores.

Trata-se de um jeito prático de juntar dinheiro no longo prazo e com vantagens fiscais.

Com as mudanças na legislação e os anos a mais que todos teremos que trabalhar para ter acesso ao benefício do INSS, a previdência privada, ou previdência complementar, chama ainda mais a atenção.

Uma das vantagens desse investimento de longo prazo, que não serve apenas para complementar a aposentadoria, é a possibilidade de desconto no cálculo do Imposto de Renda.

É também uma ótima opção para transmissão de patrimônio porque o plano de previdência não passa pelo processo de inventário, permitindo que os herdeiros tenham acesso à herança sem complicações e custos extras.

Mas e as taxas?

Claro que tantas vantagens têm um custo para o investidor: há a incidência de taxas. 

A taxa de administração é aquela clássica, cobrada pelo gestor do fundo de investimento. Pode variar de 1 a 5% ao ano. No BB, a taxa de administração máxima é de 3% ao ano.

Já a de carregamento, ou de entrada, incide sobre as contribuições feitas ao plano de previdência.

Por fim, existe a taxa de saída, cobrada por alguns fundos sobre o valor resgatado do plano de previdência.

Eventualmente, pode ser cobrada uma taxa de performance, quando o plano superar determinada previsão.

Vale ressaltar que, no BB, não há taxa de entrada ou de saída!

É sempre bom lembrar que o formato da previdência privada, que permite aportes mensais, é também uma forma de estimular a poupança, com a vantagem de as parcelas já poderem vir descontadas no salário.

O Banco do Brasil tem um vídeo explicativo que vai tirar suas dúvidas sobre como funciona a previdência privada. Confira!

Qual a diferença entre PGBL e VGBL?

Essas duas siglas representam os dois tipos de planos permitidos pela legislação. Vamos entender de vez a diferença entre eles?

O PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) é vantajoso para quem faz a declaração completa do Imposto de Renda de Pessoa Física.

Quem opta por esse plano pode usufruir de um benefício fiscal. É possível deduzir as contribuições ao plano da base de cálculo do Imposto de Renda.

Mas, atenção, isso vale até o limite de 12% da renda bruta anual, e desde que o investidor contribua para a previdência social (INSS ou regime próprio).

Nesse caso, o Imposto de Renda incidirá sobre o valor total resgatado ou de renda, conforme o tipo de tributação escolhida para o plano.

O VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) é mais adequado para quem faz a declaração simplificada do Imposto de Renda Pessoa Física, é isento ou já contribui com o limite de até 12% no PGBL.

Esse plano também busca a acumulação de recursos e sua transformação em renda no futuro.

O VGBL não permite o mesmo incentivo fiscal do PGBL na declaração do Imposto de Renda.

Em contrapartida, o Imposto de Renda sobre as aplicações incidirá somente sobre os rendimentos.

O que significa tributação regressiva e progressiva?

Outra escolha que você terá de fazer ao contratar um plano de previdência privada é a forma como ele será tributado no Imposto de Renda. Vamos às opções.

Progressiva — esse modelo segue a tabela vigente do Imposto de Renda, ou seja, as alíquotas variam entre 0 e 27,5%, dependendo do valor resgatado ou da renda.

Regressiva — essa opção estimula as aplicações de longo prazo, e a alíquota pode chegar a 10% para aplicações que permanecerem mais de 10 anos. Mas, se ocorrer um resgate ou solicitação da renda em até dois anos, a alíquota do imposto será de 35%, sendo reduzida em 5% a cada dois anos de permanência. Para efeito de cálculo, é considerado o prazo de permanência de cada aporte.

Passo a passo para escolher o plano de previdência privada

Agora que você já conhece as vantagens de uma previdência privada e sabe as decisões que terá de tomar, vamos a um passo a passo dessa categoria de investimento.

1º passo: defina em quanto tempo você quer realizar esse projeto

Nem sempre a previdência privada visa ao complemento da aposentadoria oficial.

Ela também pode ser uma opção de acúmulo a longo prazo para a aquisição de um bem, o financiamento dos estudos de um filho, ou mesmo uma forma de garantir a renda por um tempo prolongado.

Saber quando vai começar a usar esse dinheiro, em meses ou anos, é importante para você definir os planos, a tributação e os fundos.

E quanto antes fizer uma previdência privada, melhor, porque a contribuição mensal caberá mais facilmente dentro do seu orçamento e o valor acumulado crescerá proporcionalmente.

2º Passo: defina a modalidade mais adequada para você

A forma como você faz sua declaração de Imposto de Renda vai ser definidora de qual plano escolher: o PGBL ou o VGBL.

3º Passo: escolha o tipo de tributação

O uso que você fará da previdência privada ajudará a definir a tributação.

Se seu objetivo é complementar a aposentadoria, e você tem certeza de que só vai mexer no dinheiro no longo prazo, a tributação regressiva é a melhor opção.

Se você quer um dinheiro no médio prazo, considere a tributação progressiva.

4º Passo: selecione um fundo

Assim como você define seus ativos com base no seu perfil de investidor, poderá escolher o fundo mais próximo da sua realidade.

Você também pode dividir seu investimento na modalidade previdência privada entre alguns fundos disponíveis.

A vantagem desses fundos previdenciários é a ausência do come-cotas (antecipação de recolhimento do IR) e a possibilidade de desconto no Imposto de Renda.

O Banco do Brasil atua com os seguintes tipos:

  • Fundos de renda fixa — aqui são combinados títulos públicos e privados, com leves flutuações a curto prazo;
  • Fundos de ciclo de vida — são aplicações que se ajustam ao longo do tempo, começam com maior exposição à renda variável e migram para renda fixa, diminuindo os riscos à medida que se aproximam do objetivo;
  • Fundos de multimercado — esses fundos são ideais para aqueles que desejam retornos maiores e sabem lidar com as variações do mercado.
  • Fundos de carteira — fundos que seguem estratégias que se encaixam no perfil do investidor possuem diferentes níveis de volatilidade e são divididos em quatro perfis de risco: prudente, equilibrado, dinâmico e audaz.

5º Passo: projete qual será o valor e a periodicidade dos seus aportes

Os planos de previdência costumam ser bem flexíveis: você pode fazer um aporte único, de peso, ou contribuições periódicas alinhadas ao seu orçamento mensal.

Logo, essa é mais uma decisão que você vai tomar: um aporte grande ou aportes mensais (e de qual valor).

Não se esqueça de que quanto maior o prazo de investimento, maior será o valor de sua reserva acumulada nesse período planejado.

Depois de você entender melhor sobre previdência privada, a dica é: comece logo a investir. 

Para isso, você pode contar com a Brasilprev, uma empresa da BB Seguros.

A Brasilprev foi escolhida, mais uma vez, a melhor gestora de previdência do País para períodos de cinco e sete anos, pelo jornal Valor Econômico e pela Fundação Getúlio Vargas.

Então, que tal simular como ficaria a sua reserva de dinheiro no futuro se iniciar uma previdência privada hoje mesmo?

Comentários:

Seu e-mail não vai aparecer no comentário.

Carregando Comentários...